best movies & books of the year

My favorite non-scripture books (of the 43 read or listened to) of the year were Jonathan Lethem’s Motherless Brooklyn (loved it), Ian McEwan’s Atonement, and Willa Cather’s My Antonia.

I enjoyed lots of movies this year.  I really recommend – of the 91 watched – two Brazilian movies, one called Behind the Sun (available on Netflix) and another called A Dog’s Will (O Auto da Compadecida).  The latter is not available on Netflix but is watch-able on Youtube with English subtitles (see here).  I loved two children’s movies, How to train your dragon and Toy Story 3 (cried!).  I loved two classic comedies, Tootsie and Groundhog Day.  And I really, really enjoyed Crazy Heart.

what i’ve been reading and watching – July through December

Books for December
43. Mockingjay, by Suzanne Collins – Great conclusion to the Hunger Games trilogy. Good thoughts on government and what it really means to be good/bad.  8/10
42. The Good Doctor, by Damon Galgut – Two doctors, one idealistic, one cynical, clash in rural South Africa in the modern day.  Very good.  Insightful interview with the author is available at http://www.bbc.co.uk/programmes/p00c50nk .
41. Catching Fire, by Suzanne Collins – weakest of the three hunger games books, but I really liked the second half. 6/10

Movies for December
91. Scott Pilgrim vs the World (DVD) – Very creative, mash-up of video games and film.  Some dull moments but points for creativity. 8/10
90. Megamind (theater) – Will Ferrell is a super villain who learns to love.  I laughed a lot. 7/10
89. True Grit (theater) – Girl seeks justice for her father’s murder in the Old West.  Three leads all shine (Jeff Bridges, Matt Damon, and Hailee Steinfeld).  Very exciting.  7/10
88. Going the Distance (airplane version) – Romantic comedy with Drew Barrymore and Justin Long.  Fine.  6/10
Continue reading “what i’ve been reading and watching – July through December”

my favorite comedy of the year: A Dog’s Will (O Auto da Compadecida)

One of my favorite movies this year is the Brazilian comedy (family appropriate, although not a kid’s movie) A Dog’s Will, or O Auto da Compadecida.  It has my favorite comedy character of all time, João Grilo, or Jack the Cricket!

Unfortunately, this is not available via Netflix or Blockbuster.  I can’t even buy it with subtitles.

It is available via youtube with subtitles.  Here are the links:

Part 1
Part 2
Part 3
Part 4
Part 5
Part 6
Part 7
Part 8
Part 9
Part 10
Part 11

why the “sexy” scene in Harry Potter 7 (part 1) didn’t fit

Much has been made in some quarters (here, here) regarding a “nude” scene in the newest Harry Potter offering.  In fact, one sees a couple of characters kissing passionately with bare shoulders and mist swirling around them.  The implication is of nudity, but the actual appearance is just of bare shoulders and smooching.

Some people feel this is inappropriate to a children’s movie, to which I say, The movie is rated PG-13, and the P.G. really stands for something. And while the books may be for kids (older kids), a lot of things are more disturbing in translation to the screen.  (I can imagine letting children read the Hunger Games well before I’d be comfortable letting them see everything that happened there on screen.  Likewise with the Bible; I’ll never be old enough to see all of that stuff on screen.)

BUT the scene still didn’t fit, and the reason is that Harry and his friends have always been incredibly – well – virginal.  The big smoldering sexual tension in the Harry Potter books has always been about kissing, even as the characters pass through puberty.  It apparently has never even occurred to Harry and his friends – laudable and amazingly – to use the invisibility cloak for some mischief.  These kids are sexy-free.  So for Ron’s vision of horror to suddenly be of So Much More is just a little bit out of place.

That’s my take.

I thought the movie was excellent overall.

what i’ve been reading and watching – May-June

June
Books
25. Charlie and the Chocolate Factory, by Roald Dahl – Read this aloud with my older son.  A creative masterpiece.  9/10
24. Fantastic Mr. Fox, by Roald Dahl – Read this aloud with my older son (5 yrs old) in a day.  It was great fun!  8/10
23. Os Espiões [The Spies], por Luis Fernando Veríssimo – An alcoholic book editor receives a mysterious manuscript by a woman who claims to be held captive and who threatens to commit suicide after finishing the memoir.  Editor tries to intervene.  Absurd mayhem ensues.  Fun enough, and plays on the controversies about what memoirs really are.  But if you’re going to read Veríssimo (and I recommend him), I’d read Borges and the Eternal Orangutans, my favorite so far.  7/10
22. The Adventures of Sherlock Holmes, Volume 3, BBC dramatization. Once again, a great time.  7/10

what i’ve been reading and watching

I’ve been lazy about writing book reviews, but here are some capsules on books and movies I’ve experienced in January – April of this year.

———- Forwarded message ———-
Subject: Books and Movies for April

Books

19.  The Godwulf Manuscript, by Robert Parker.  In honor of the crime novelist who recently passed on, I read his first Spenser novel.  Fun pulp.  6/10
18.  Also awesome: The Adventures of Sherlock Holmes, Volume 1, BBC dramatization.  Two great things about Sherlock Holmes: first, not all the mysteries are murders.  (In this case, just one of the four.)  Second, the sidekick – Dr Watson – actually contributes.  We meet Irene Adler, the woman who outsmarts Sherlock Holmes and – maybe – captures his heart.  Very fun: the radio dramatization gives Holmes a laugh that makes him sound like a caustic mad scientist.  8/10
17.  Cards on the Table, by Agatha Christie.  Four bridge players.  All previously have murdered.  A murder is committed!  Only Hercule Poirot and is psychological reasoning can solve the case!  For once, a police guy recognizes that Poirot is brilliant and doesn’t spend the whole book pretending Poirot is loony.  Fun stuff.  7/10
16.  Best of the month: Inside Job, by Connie Willis.  I read a great review of her newest book in the Post , and so took this little novella (100 pages) to Brazil.  Lots of fun!  An LA psychic channeller starts channelling HL Mencken, the science journalist who covered the Scopes Monkey trial.  A professional skeptic is befuddled. 8/10

Continue reading “what i’ve been reading and watching”

resenha do filme O Auto da Compadecida

meu filme brasileira favorito: cómico, inteligente, creativo, e feliz

Este filme é uma maravilha.  Tem uma das personagens mais entretidas que conheço no cinema brasileira (João Grilo), e tem uma sequência que occorre no além-mundo que ninguem deve perder. 

Agora, a substância!  João Grilo e Chicó são amigos de faz muito tempo, pobres, que passam a vida enganando aos outros e sobrevivendo graças aos seus engenhos.  Chicó se enamora da filha do homem mais rico da vila.  João Grilo tenta orquestrar uma sequência de enganos para ocasionar a união.  Mas o prazer deste filme – e é um prazer puro – se encontra em cada engano, no jogo de palavras dos dois e na imaginação de João Grilo em particular.  Até olhar seu semblante e sua postura provoca prazer: tem a cara e o modo de andar de um vigarista que goza da vida.  (Quando outra personagem defende a ele, dizendo que mentiu toda a vida só para sobreviver, responde João, Mas eu gostava!) 

Observa este diálogo entre Chico e sua namorada:

– Se você tivesse pelo menos um diploma

– Eu sou doutor em ciéncias ocultas, filosofia dramática, pediatria charlatánica, pedagogia dogmática, astrologia electrónica.

E a sequência suprema do filme ocorre quando várias pessoas no filme morrem e aparece o diabo, o Senhor, e a Virgem, e é um espectáculo que logra ser tanto cómico como comovedor.

Demostrando o incestuoso que é o cinema brasileiro, o ator Marco Nanini quase mata ao Selton Mello tanto aqui como – uns anos depois – em outro filme, Lisbela e O Prisioneiro.  (Os dois filmes são excelentes.)

Nota sobre o conteúdo:  Este filme realmente não tem nada de ofensivo.  Existe a implicação do adulterio, a ameaça da violência, e alguns muito religiosos podem não gostar da apresentação de Jesus Cristo, embora eu achei tudo feito com respeito.

resenha do filme Lula, O Filho do Brasil

biografia beatífica do presidente

Eu não procurava uma análise de cada fraqueza no caráter de Lula; não esperava aprender de algum lada obscuro e perturbador do presidente.  Mas admito que sim gostaria de ter visto algum sinal de que o homen fosse humano além de suas lágrimas com a morte de sua primeira esposa e a de sua mãe.  Neste filme, observamos um Lula que não cometeu nenhum erro, que só antingiu grandes coisas apesar de uma infância de carência, com um pai alcoólico.  Não discuto que ele sim tem atingido grandes coisas, mas talvez foi humano também em algum momento do processo. 

Essa falta de fraqueza faz que o filme ande com o peso profundo de sua propria virtude.  Também sofre do mesmo problema que sofrem muitos filmes biográficos:  Sacrificam uma narrativa suave porque precisam saltar de evento importante a evento importante.  Ainda gostei mais ou menos; sabia pouco da vida de Lula e gostei de aprender alguns detalhes.  Só que em varios momentos, teria gostado de aprendê-las um pouco mais rápidamente.

Com toda essa gravidade, quando vi a Gloria Pires representando a mãe de Lula, admito ter mantido no meu coração a esperança secreta que ela e o futuro presidente iam trocar de corpos em algúm momento do filme para fazer-me rir um pouco mais.*  Teria sido um pouco destoante, mas acho de uma forma boa.  Não quero revelar a conclusão do filme, mas não aconteceu.  Uma pena.

Nota sobre o conteúdo:  Este filme não tem nada de ofensivo menos – tal vez – a hagiografia.

* Assim como ela fez nos filmes Se Eu Fosse Você 1 e 2.

resenha do filme Lisbela e o Prisionero

[To read about this fun film-lovers’ movie in English, here is a nice summary in the New York Times.]

uma homenagem de pancadaria boba ao cinema e as finais felizes

Leléu (representado pelo excelente Selton Mello) é um caixeiro viajante, ator, safado, e mulherengo. Inaura é sua conquista mais recente.  Frederico é o esposo corneado de Inaura que por acaso é assassino de aluguel.  Lisbela (Débora Falabella) é uma inocente escoladona de assistir ao cinema que se enamora de Leléu e por fim capta seu coração perambulante. Douglas é o noivo corneado de Lisbela.  Ôxe!  Não se surpreende que amonta uma confusão enorme e cômica.

A cena iniciante estabelece o tono para o filme.  Lisbela e Douglas entram no cinema e Lisbela diz: “Eu adoro esta parte.  A luz vai se apagando devagarzinho. O mundo lá fora vai se apagando devagarzinho. Os olhos da gente vão se abrindo. Daqui a pouco a gente não vai nem mais lembrar que está aqui.”  Então segue uma mistura de cinema e da realidade que nunca se divide por completo.  O filme está cheio de amor verdadeiro, amor não tão verdadeiro, heróis improváveis, vilões muito ruins, e umas personagens secundárias que proveem alívio cômico.  As vezes achei até bobo demais, mas gostei no total.

Numa cena, uma das conquistas de Leléu diz “Por que você não me leva contigo?” Ele responde, “Eu já te carrego no meu coração.” Vou fazer a mesma coisa com pelo menos uma parte deste filme: O sorriso enorme de Lisbela quando ela se senta no cinema já é final feliz suficiente.

Nota sobre o conteúdo: O filme fala do sexo e implica que acontece fora da tela mas não mostra nada da nudez.  Numa cena, há uma paródia duma cena na vida de Jesus Cristo, que pode ofender a alguns religiosos.

Aqui está o trailer.